Egito Antigo

Mistérios Antigos

Os antigos habitantes da Terra

A Verdadeira Idade do Universo Revelada

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Sendo criacionista eu naturalmente discordo da teoria de que o universo se formou espontaneamente há bilhões de anos atrás. Acredito na versão da criação pouco conhecida escrita nos livros gnósticos Sethianos, que dizem que o universo surgiu por intermédio de uma imortal de nome Sofia Pistis, que deixou o Reino Eterno e desejou criar um reino por conta própria, sem a aprovação de Deus.

Como ela tinha poder, a vontade dela se manifestou tomando a forma do firmamento. Após isso ela estabeleceu autoridades para regerem o cosmos, conforme descrito na Carta de Pedro a Felipe, e eles criaram os céus, os mundos, a natureza, as criaturas e etc.

As pessoas passaram a venerar essas autoridades como seus deuses, por desconhecerem o Reino Eterno e o Deus Imortal preexistente. Assim, todos permaneceram confinados na criação dos arcontes até a vinda do Cristo.

Porém, antes disso os deuses também habitaram entre os homens para governar as civilizações, mas depois retornaram para os seus céus. O Cristo então veio revelar a existência do Reino Eterno e oferecer a Salvação suprema para a humanidade. Digo suprema porque os deuses também ofereciam acolhimento para as almas dos seus beneficiados, como o Elísio dos gregos, mas que não se compara com a Salvação Eterna descrita nos evangelhos gnósticos Sethianos.

Basicamente é isso, mas quando tudo se iniciou? Esta sabedoria era conhecida no passado e foi escondida em um texto religioso!

Quero deixar claro que não sou adepto da Teoria da Terra Jovem, defendida pelos criacionistas baseados em interpretações do Gênesis bíblico, que diz que o universo não possui mais de 10 mil anos de idade. Não obstante eu considero suas pesquisas interessantes por ousarem questionar o modelo estabelecido.

Sendo assim, temos de um lado do ringue os cientistas modernos, com uma data superior a treze bilhões de anos, e do outro lado os criacionistas bíblicos, que lutam por uma data de uma dezena de milhar. Quem está com a razão?

A informação que eu obtive é de origem revelatória, ou seja, para chegar a ela eu não me baseei em concepções humanas ou estudos científicos que mudam suas conclusões e resultados o tempo todo. Ela não é uma opinião, é um dado que me foi passado e eu estou apenas repassando.

Confesso que estava hesitante em publicar isso, porque, como eu diria para as pessoas que orei para Deus e recebi a resposta?

Bom, a verdade é que eu sou religioso sim, disciplinado, solitário, pesquisador, dedicado, e muitas vezes quando faço uma pergunta sobre algo relevante, eu recebo a resposta.

A resposta que obtive, da forma como me foi revelada, é que a idade do universo é superior a 500 mil anos e inferior a 1 milhão de anos.

Não me foi passado um número exato, porém, ao retornar eu presumi que esse deve ser o significado do número 666, o único número de valor simbólico que me veio à mente entre 500.000 e 1.000.000. Concluí que ele representa a idade do universo e do regente Yaldabaoth. Entretanto, tendo o Apocalipse sido escrito há 2 mil anos atrás, o número agora deve ser 668 mil anos. Esta é a verdadeira idade do universo, contada em anos terrestres.

O número 666 é mencionado uma única vez no último livro da Bíblia.

Apocalipse 13

1 E eu pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.

2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio.

3 E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta.

4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?

5 E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para agir por quarenta e dois meses.

6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu.

7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação.

8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.

9 Se alguém tem ouvidos, ouça.

10 Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos.

11 E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão.

12 E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada.

13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens.

14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia.

15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.

16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,

17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.

18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.

Por que um número humano, ou número do homem? Porque esse valor é calculado de acordo com o movimento de translação da Terra, que é o percurso que ela faz ao redor do Sol, e que ocorre no espaço de tempo de um ano para os humanos. Em outros mundos o valor seria diferente, porque levam um período diferente para o planeta deles dar a volta inteira em torno do Sol e completar um ano.

O trecho anterior do texto fala sobre o comércio, e como as pessoas iriam se utilizar da marca da besta para comprar e vender, isto é, o cifrão $$$.


Talismã antigo com dizeres e símbolos mágicos evocando Yaldabaoth.



Moedas e amuletos como este acima eram comuns na Grécia e em Roma e datam dos primeiros séculos. Na frente dele a imagem de Yaldabaoth, também chamado de Chnoubis, e no verso dizeres mágicos encerrados por uma sequência de serpentes. Repare a semelhança entre elas e o símbolo atual do cifrão:


Cifrão, o sinal da besta.



Este talismã a seguir se encontra no Museu Britânico de Londres, e data do século III:


Talismã mágico do século III.
(Original: http://www2.szepmuveszeti.hu/talismans/cbd/690)



Sacos de dinheiro com o sinal da besta:


Sacos de dinheiro.



Outro amuleto antigo de Chnoubis-Yaldabaoth com caracteres usados para encantamentos:


Amuleto antigo de Chnoubis-Yaldabaoth com encantamentos.



Esses amuletos provavelmente serviam para atrair riquezas para aqueles que os portavam. Não acredito que algum gnóstico em sã consciência guardaria uma jóia que fazia evocações ao demônio. Além disso, são tantos exemplares desse Chnoubis gravados nos mais variados tipos de pedras preciosas que eu duvido que haviam tantos gnósticos assim produzindo esses artefatos. Simplesmente não faz o menor sentido para devotos que queriam escapar do mundo material. Eles deveriam ter sido usados por pessoas em geral para dar sorte.


Amuleto do século III.      Amuleto do século II ou III.      Amuleto do século III.

(Fontes:
http://www2.szepmuveszeti.hu/talismans/cbd/695?rpp=100
http://www2.szepmuveszeti.hu/talismans/cbd/1135?rpp=100
http://www2.szepmuveszeti.hu/talismans/cbd/1143?rpp=100)


Uma moeda do século II do imperador romano Antonino Pio:


Moeda do século II, do imperador romano Antonino Pio.
(Fonte: http://www.forumancientcoins.com/moonmoth/coins/ant_pius_029.html)



Mamon, o demônio da avareza:


Mamon, o demônio da avareza.



Para mim é muito claro que o plano dos arcontes funcionou. Não há nenhum anti-Cristo que está para vir pois o mundo todo pertence a eles, por isso os santos sempre foram martirizados aqui.

Esta é a interpretação do número 666, que muitos tinham curiosidade em saber, mas não compreendiam o sentido.


08 de Agosto de 2017


Atualizado em 09/08/2017