Egito Antigo

Mistérios Antigos

Os antigos habitantes da Terra

SÁBADO, 31 DE MAIO DE 2014

Os maiores monólitos do mundo: o obelisco inacabado

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Erguer obeliscos era um trabalho para gente grande, e isto fica bem claro quando se observa o obelisco inacabado de Assuã, no Egito. Com mais de 40 metros de altura e pesando em torno de 1.170 toneladas, esta obra majestosa de granito foi deixada em sua pedreira de origem, onde ainda repousa.


Vista aérea do obelisco inacabado na pedreira em Assuã, no Egito.


A vantagem de se trabalhar com a pedra maciça ao invés do cimento é a enorme resistência e durabilidade da estrutura, tornando desnecessário o uso de vigas internas de sustentação. A desvantagem é o esforço empregado para extrair e mover a rocha, o que aparentemente não devia ser um problema para eles.

Dois obeliscos sendo erguidos.

Um megálito parecido e de tamanho igualmente espantoso é a Pedra da Mulher Grávida, de 1.000 toneladas, nas ruínas do templo de Baalbek, no Líbano. Junto a outro monólito recém descoberto no local, com peso acima de 1.200 toneladas e possuindo 20 metros de comprimento, eles estão entre os maiores monólitos já encontrados no mundo.


Pedra da Mulher Grávida. Monólito colossal em Baalbek.


Certas lendas dizem que o templo foi reconstruído por gigantes sob as ordens de Nimrod, após o grande dilúvio, e acabou sendo destruído de novo durante a conflagração das forças dos céus.



SÁBADO, 21 DE JUNHO DE 2014

O selo Acádio, os Anunnaki e similitudes com outros mitos

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

O selo Acádio VA 243 é um enigma de pelo menos 4.500 anos de idade, trazido ao conhecimento público pelo pesquisador Zecharia Sitchin. Em seus livros, Sitchin defende que os Sumérios tinham avançados conhecimentos astronômicos graças aos Anunnaki.

Residentes em um ponto distante no sistema solar, no início dos tempos os Anunnaki teriam visitado a Terra e desenvolvido através de experimentos genéticos um ser humano com a função de servi-los e poupá-los de trabalhos pesados, como a mineração de ouro.

A figura a seguir, peça central da tese de Sitchin, é uma importante evidência de que civilizações antigas sabiam muito mais do que estamos sendo informados. Nela, um rei sentado em seu trono recebe um escravo que lhe é oferecido. Ao fundo, uma estrela rodeada por esferas menores representaria o sistema solar.


Selo Acádio VA 243


A controvérsia sobre este selo se dá pelo fato de que, se ele mostra o nosso sistema solar, então a proporção das esferas está em desacordo com o seu estado atual, e, sendo assim, não há como apontar com certeza qual planeta cada esfera simboliza. Também não foram encontradas indicações de que são todas planetas, ou planetas e luas. É possível que outros mundos e luas tenham existido e desaparecido desde então, mas sem saber exatamente como era a realidade da época fica difícil afirmar qualquer coisa.

Hoje, os dois maiores planetas são Júpiter e Saturno. Os dois médios são Urano e Netuno. E os pequenos são Mercúrio, Vênus, Terra e Marte. Duas luas, Ganimedes e Titã, são maiores do que Mercúrio, que é o menor planeta.

O selo Acádio tem três grandes orbes na esquerda, três médias na direita, e 6 pequenas ao redor, com a última mais distante, em frente ao nariz do personagem do meio. Outra hipótese é de que essa configuração poderia representar Saturno e suas luas. As dimensões parecem coincidir melhor do que se fosse o sistema solar.

Na foto abaixo, tirada em 4 de março de 2010, Saturno é visto rodeado pelas luas Hipérion, Réia, Dione, Titã e Jápeto.


Saturno e suas luas.
Foto: Kevin Heider


Saturno é na mitologia um Titã filho de Urano, e marido de Réia. Ele devora seus filhos um após o outro, quando fica ciente através de uma profecia que será destronado por um deles (Zeus).

No quadro de 1636, Peter Paul Rubens retrata Saturno praticando o canibalismo, e 3 estrelas em cima aludem ao planeta de mesmo nome. A central é também uma estrela de 6 pontas, ou um hexagrama.


Saturno devorando um de seus filhos. Quadro de Peter Paul Rubens.


Urano em muitos aspectos é semelhante ao regente chefe Yaldabaoth. Urano seduziu Gaia, que gerou os Titãs, divindades destrutivas que governavam o mundo antediluviano. Yaldabaoth seduziu Eva, que gerou as autoridades da escuridão, divindades que oprimiram e corromperam a humanidade desde o princípio.

Na jóia gnóstica de Montfaucon, o hexagrama aparece associado ao arconte chefe, junto com a lua crescente, que é um símbolo frequente na arte Mesopotâmica.


Yaldabaoth ao lado da estrela de 6 pontas e o selo Acádio.


Seriam os Anunnaki a versão Mesopotâmica dos mesmos deuses tirânicos?



QUARTA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO DE 2014 | ATUALIZADA EM 22/11/2014

Rosto em Marte

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Esta estrutura de um rosto humano em Marte vista pelo Google earth foi divulgada por Fred Merat em seu site em 14/06/2012, onde ele ressaltava a aparência da rainha egípcia Nefertiti. Eu achei a foto bastante nítida e tomei a liberdade de fazer a comparação com a imagem do perfil de uma deusa venerada no Egito Antigo.


Rosto em Marte e perfil de uma deusa do Egito.


A distância da sobrancelha ao queixo é por volta de 2,5 km.



SÁBADO, 29 DE NOVEMBRO DE 2014 | LINKS ATUALIZADOS EM 24/05/2017

Qual é a velocidade dos meteoros?

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Meteoro realizando uma trajetória retilínea transversal.

No artigo sobre meteoros eu expliquei algumas das mentiras que os cientistas falam sobre esses objetos luminosos. Vamos recapitular e esclarecer melhor algumas delas ...

Meteoros caem.

Mentira. Por conta da gravidade do planeta e a resistência da atmosfera a tendência (aceleração) de um móvel em queda livre é vertical e para baixo, e sua velocidade vai aumentando até atingir a velocidade terminal e encontrar o solo. Mas ao invés disso, alguns meteoros são vistos subindo e frequentemente realizam um movimento retilíneo uniforme na transversal, o que viola a primeira Lei da Inércia, ou primeira Lei de Newton, que diz que um objeto só pode mover-se em linha reta e velocidade constante se não houver forças atuando sobre ele. Em outras palavras, na ausência de atrito e gravidade, qualquer objeto por mais pesado que seja e independente de seu formato, poderia viajar em linha reta a 1 km/h para sempre. Como os meteoros não estão sofrendo com a gravidade nem atrito, visto o movimento que realizam, eles não estão caindo. Quem tiver dúvidas e quiser saber mais sobre a dinâmica do movimento pode visitar esse link: http://www.readbag.com/vestseller-br-images-demo-mecanica1-2aedicao (Capítulo 3, a partir da página 59).

Meteoros são pedras que vêm do espaço.

Mentira. As pedras que caem ocasionalmente são chamadas meteoritos, e elas não são luminosas e não têm qualquer relação com os meteoros. Meteoritos obedecem às leis da física e caem em linha vertical. Ainda que seja muito raro ver isso acontecendo, um paraquedista da Noruega conseguiu registrar em vídeo a queda de um meteorito em 2012 enquanto fazia um salto de avião. Os sofistas dão nomes parecidos para confundir as pessoas sobre a verdadeira natureza dos meteoros.

Meteoros deixam crateras.

Mentira. Crateras surgem sem qualquer relação com meteoros. Até hoje não foi apresentado nenhum vídeo legítimo e sem cortes de um meteoro formando uma cratera, pelo contrário, todos os vídeos mostram as luzes aparecendo e desaparecendo subitamente. O único vídeo autêntico que encontrei no qual um meteoro atinge e transpassa um objeto, que foi um prédio no Japão, não causou nada do que os cientistas teorizam. Esse vídeo pode ser visto no artigo que escrevi (Meteoros: a grande mentira científica).

Meteoros brilham por causa do intenso atrito com o ar.

Mentira. No espaço os meteoros também brilham. A resistência do ar, na verdade, impede que objetos sólidos sem propulsão atinjam velocidades em que o atrito cause aquecimento, isto é, acima de Mach 1 (340,29 m/s). O ar é como uma barreira que dificulta a aceleração, assim como a água, e isso pode ser visto em aviões supersônicos, que rompem essa barreira causando um efeito chamado estrondo sônico. Quanto maior é a velocidade, maior é a resistência do ar. Como um objeto que não é aerodinâmico quebraria essa barreira sem propulsão? É o mesmo que um carro sem motor subir uma ladeira.

Agora quero desafiar os cientistas a calcular a velocidade real dos meteoros. A informação que é passada para o público afirma que os meteoros viajam a dezenas de quilômetros por segundo! Esta é uma velocidade totalmente enganosa e absurda, e vou provar isso para vocês.

Escolhi um vídeo do site SonotaCo porque tem boa qualidade, cronometragem, e a vista permite analisar detalhes suficientes para falar com bastante segurança.


Meteoro lento.
(Link do vídeo: http://sonotaco.com/sample/meteor/m20050320_012752.wmv)

Neste vídeo um meteoro é flagrado aparecendo no céu noturno, passando em baixa velocidade próximo ao telhado de uma casa e em seguida desaparecendo com sutileza. Como ele clareia apenas partes do telhado por vez é possível afirmar que o objeto está baixo, caso contrário, se estivesse alto e brilhando com intensidade à distância, teria iluminado toda a cidade ao mesmo tempo.

Supondo que esse telhado tenha uma extensão de 20 metros, o meteoro levou 3 segundos para que sua luz refletida percorresse esse espaço. A partir do 1:27:54 o reflexo aparece do lado direito do telhado. Em 1:27:55 a luz está bem no centro. Em 1:27:56 ela passa para o lado esquerdo. E em 1:27:57 ela termina seu trajeto e desaparece. Isso dá uma média de 7 m/s, ou multiplicando por 3,6 temos em quilômetros 25,2 km/h. Muito menos do que os sofistas dizem.

Compreenda também que em nenhum momento a trajetória do meteoro deveria ser retilínea em outra direção senão vertical para baixo, por causa do vetor aceleração, que no caso é a gravidade, e aponta para baixo. O trajeto de um móvel só pode ser retilíneo quando os vetores aceleração e velocidade apontarem na mesma direção. Consulte seu professor ou professora de Física, e se eles entenderem mesmo do assunto vão concordar comigo.

Estes são gráficos que fiz das trajetórias de meteoros do vídeo que mencionei, filmados no Japão, em 2007. O terceiro meteoro atinge e atravessa o prédio sem causar nada. O último foi filmado seis dias depois.

Meteoro em trajetória retilínea transversal.   Meteoro em trajetória retilínea transversal.   Meteoro atingindo e atravessando prédio.   Meteoro em trajetória retilínea transversal.

O programa Tracker é uma ótima ferramenta para analisar a velocidade e a trajetória de corpos móveis, então, quem tiver a oportunidade de filmar um meteoro, não deixe de fazer o seu próprio estudo. São pesquisadores livres e independentes que trazem as descobertas mais interessantes.



QUARTA-FEIRA, 14 DE OUTUBRO DE 2015

Os regentes do ar

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Esses dias tomei conhecimento de um discurso que a presidente Dilma fez na ONU propondo uma forma de armazenar o vento. O vídeo era uma brincadeira que fizeram, e mostrava ela falando enquanto os personagens da série Star Trek assistiam com desgosto, fazendo cara de desaprovação.

Ficou um pouco engraçado e dá uma certa vergonha alheia, mas a idéia não é ridícula como fazem parecer.

Até alguns séculos atrás era comum a crença nas chamadas 'cabeças do vento', divindades que aparecem em mapas antigos soprando as nuvens e influenciando as embarcações...

Cabeça do vento soprando embarcação. Americae Tertia Pars, 1592, Theodore De Bry.

Também chamadas de Silfos, as forças da natureza associadas ao elemento AR vivem no céu sobre a Terra, controlando a circulação dos ventos, tempestades, raios e todo tipo de fenômeno atmosférico, além da passagem de tudo o que sobe para as regiões superiores e o que desce para o mundo dos mortais.

Em seu último discurso o filósofo grego Sócrates fala sobre o assunto, assim preservado por Platão em Fédon:

Acima da Terra existem seres parecidos com animais e homens, vivendo em torno do ar tal como nós vivemos em torno do mar, numa realidade paralela à nossa. Alguns residem em ilhas e continentes aéreos onde o vento circula livremente, e com uma palavra, o ar é usado por eles igual a água e o mar são por nós, e o éter é para eles o que o ar é para nós. O temperamento das suas estações favorece com que eles não tenham doenças e vivam muito mais tempo do que nós. Além disso, eles têm visão, audição e todos os outros sentidos muito mais aguçados do que os nossos, na mesma medida que o ar é mais puro que a água e o éter do que o ar.

Os índios Hopi concordariam plenamente com as palavras de Sócrates...

Kachina, regentes da natureza dos índios Hopi, da América do Norte.
Artista: Delbridge Coochsiwukioma / Título: Home Dance


Mas os poderes do ar não são todos bonzinhos e agradáveis. Na verdade, essa região do 1º céu é bem problemática, pois esse é o domínio do Príncipe do Ar, como é chamado pelos católicos, local das casas de pedágio aéreas relatadas pelos santos da igreja ortodoxa oriental e gnósticos.

Casas de pedágio aéreas. Demônio lê acusações contra uma alma e anjo intercede em favor dela.


Como este é um tema bastante extenso eu não pretendo aprofundar agora na página de Notícias, e sim apenas dar alguns exemplos do que diferentes culturas acreditam ter no céu.

Talvez a tecnologia à qual a presidente esteja se referindo seja o saco mágico dos ventos, que o demônio celeste Fujin, da mitologia japonesa, carrega, e abre soltando vendavais durante as tempestades.

Fujin com o saco dos ventos.


Fuja Fujin, ou os humanos vão tomar os ventos de você!



QUARTA-FEIRA, 24 DE MAIO DE 2017

A Cratera do Escaravelho em Marte

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Desde pequeno eu sabia que as crateras vistas na Lua tinham sido feitas por seres vivos. Quando conheci a explicação oficial eu fiquei bem chateado, pois além de ignorarem a existência de vida lá fora, diziam que aqueles enormes buracos eram formados ao acaso por pedras que caíam do espaço.

Essa teoria nunca me convenceu, então quando consegui me livrar de todos os dogmas e da lavagem cerebral que sofremos incessantemente, pude enxergar melhor a realidade do universo onde moramos.

O homem cético moderno se gaba de suas conquistas materiais e confia na sua racionalidade, porém, as questões filosóficas mais básicas e importantes jamais foram respondidas. Por exemplo, se o universo não tem vida nem consciência como afirmam os reducionistas, como ele pode gerar vida e consciência? Como algo pode fornecer aquilo que não possui? É fácil entender como o açúcar vem da cana-de-açúcar, ou como o sal vem da água do mar, mas como a vida surge da matéria inanimada?

Se nos basearmos nas cosmogonias de outrora, a vida se iniciou em domínios superiores, celestiais, e as ações dos seres ancestrais mitológicos culminaram na criação do mundo e da humanidade.

Os egípcios, que tinham vastos conhecimentos dos mistérios, se empenhavam durante a passagem terrena almejando retornar para os céus de seus antepassados divinos.

365: A terra é sovada em degraus para ele rumo ao céu,
para que ele possa escalar em direção ao céu,
e ele se ergue na fumaça da grande fumigação.

366: Ele voa para longe, este Unas, como um ganso, ele flameja como um escaravelho,
ele voa para longe como um ganso, ele flameja como um escaravelho no trono vago que está em tua barca, Ó Rá.

367: Levanta-te, vá embora, tu que não conheces a moita de juncos, para que Unas possa tomar o teu acento, para que ele possa remar no céu em teu barco, Ó Rá.

- Pronunciamento 267 da pirâmide de Unas

O escaravelho sagrado é uma das figuras mais conhecidas da arte egípcia. Aqui eu faço a comparação entre uma cratera em Marte, fotografada em Maio de 2005 pelo orbitador Mars Odyssey, e o escaravelho cósmico.


Cratera em Marte no formato do escaravelho cósmico egípcio.
(Versão sem cor da cratera do escaravelho: http://photojournal.jpl.nasa.gov/catalog/PIA13660)


Esta cratera tem em torno de 5 km de comprimento vertical.