Egito Antigo

Mistérios Antigos

Os antigos habitantes da Terra

As catástrofes que mudaram a paisagem do Egito

(Artigo escrito por Leandro para o site Mistérios Antigos - Os antigos habitantes da Terra)
http://misteriosantigos.50webs.com

Segundo tradições, o grande dilúvio foi o maior evento de destruição que afetou o mundo, há mais de 4 mil anos atrás, tendo deixado sua marca nas histórias de inúmeros povos sem nenhuma ligação aparente entre si. O outro grande evento foi a conflagração, eras após o dilúvio, quando os regentes lançaram fogo sobre a Terra, e estes dois acontecimentos são inclusive citados na obra Timeu, de Platão, como as principais formas de devastação que aconteceram no planeta.

No livro 'Atlântida O Oitavo Continente', Charles Berlitz escreve:

Platão e outros estudiosos da época tinham conhecimento de que muitas alterações no mar e na terra haviam ocorrido anteriormente em várias partes do mundo. Heródoto notara conchas marinhas no deserto egípcio e alta concentração de sal no solo e nas pedras do Egito. Vestígios de vida marinha foram encontrados no deserto e ao pé da grande pirâmide em tempos primitivos, enquanto modernos pesquisadores detectaram sinais de uma camada de sal nos aposentos da rainha, no interior da pirâmide.

Além disso, há evidências de que a paisagem do Egito nem sempre foi como é atualmente. O geólogo Stefan Kröpelin, da Universidade de Colônia, na Alemanha, estudou as alterações climáticas no deserto do Saara, e concluiu que ao longo dos milênios as condições mudaram radicalmente. Houve um período em que aquela região, ao invés de desértica, era viçosa, com rios, lagos e abundância em vida animal e vegetal.
(fonte: http://www.livescience.com/4180-sahara-desert-lush-populated.html)

Difícil de imaginar, não é?

Deserto do Saara.


O professor e escritor Robert M. Schoch aponta para o desgaste do corpo da esfinge, e argumenta que ele é típico da erosão causada pela água. Durante milênios a chuva caindo sobre o monumento foi desfigurando as pedras, mas isso só é possível se o clima era diferente. A cabeça da esfinge teria sido reformada depois e não apresenta o mesmo processo.

A própria arte egípcia mostra a civilização florescendo numa época em que as condições ambientais eram favoráveis, a fauna e a flora eram ricas, lembrando até o Pantanal.

Natureza do Egito Antigo.   Natureza do Egito Antigo.   Egípcios pescando com rede.   Natureza do Egito Antigo.


Tudo mudou de repente, quando as águas do dilúvio atingiram eles, soterrando suas cidades, templos, monumentos, e transformando o norte da África em deserto.

Concepção artística do dilúvio atingindo as pirâmides.

Dilúvio encobrindo as pirâmides do Egito.


Em uma coleção de desenhos criados entre 1996 e 1997, o artista Ed Pas vislumbra as pirâmides semi-encobertas no dilúvio.

Dilúvio na visão do artista Ed Pas.  Dilúvio na visão do artista Ed Pas.  Dilúvio na visão do artista Ed Pas.  Dilúvio na visão do artista Ed Pas.  Dilúvio na visão do artista Ed Pas.


Oceano avançando contra as pirâmides na visão da artista Akiane Kramarik.

Oceano avançando sobre as pirâmides na visão da artista Akiane.


Estas estão entre as fotos mais velhas da esfinge e das pirâmides mostrando a área parcialmente soterrada e revelando a extrema corrosão do corpo da esfinge.

Foto velha da esfinge enterrada e as pirâmides do Egito.     Foto velha da esfinge parcialmente escavada e as pirâmides do Egito.


Pioneiro da Egiptologia moderna, o arqueólogo Karl Richard Lepsius ilustrou no século XIX cerca de 900 imagens mostrando a arte dos templos e tumbas do Egito, muitas das quais as originais já não existem mais e seus desenhos constituem o único registro do que foi perdido.

Aqui podemos ver o templo de Abu Simbel antes de ser escavado.

Templo de Abu Simbel soterrado em obra do século XIX, de Karl Richard Lepsius.


Não se sabe ao certo o quanto ainda está enterrado, nem quais outros segredos guardam as areias do Saara, mas podemos afirmar com certeza, portanto, que o clima árido atual não corresponde à realidade do passado.


As pirâmides e os corpos celestes

Em 'O Ouro dos Deuses', Eric von Däniken comenta sobre um manuscrito copta do século X, do historiador e geógrafo árabe Abu'l Hassan Ma'sudi, no qual se encontra a seguinte informação:

Surid, que era rei no Egito, antes do grande dilúvio, mandou erguer duas pirâmides. Deu ordens aos seus sacerdotes para que lá depositassem as noções das ciências e sabedorias. Na pirâmide grande depositaram as indicações sobre as esferas e figuras celestes, que representam as estrelas e os planetas, as posições e os ciclos, mas, também, as bases da matemática e geometria. A fim de ficarem conservadas para sempre, para os pósteros, capazes de ler os signos.

Nos meios alternativos se fala bastante sobre a teoria da correlação de Órion, proposta pelo pesquisador e escritor Robert Bauval, que diz que haveria uma ligação entre as três pirâmides proeminentes de Gizé e as três estrelas do cinturão de Órion, também conhecidas como Três Marias.

Embora essa pareça uma idéia interessante, e eu acompanho os trabalhos de Bauval e de outros pesquisadores que divergem da Egiptologia convencional, eu tenho bons motivos para discordar dessa teoria. O motivo fundamental é que foi constatado que as pirâmides estão posicionadas e possuem os tamanhos respectivos aos três primeiros planetas mais próximos do Sol: Mercúrio, Vênus e Terra.


Pirâmides do Egito representam os planetas.


Como os egípcios sabiam da existência desses planetas? Ao olhar para o céu noturno não é fácil distinguir planetas de estrelas. Ademais, como que eles sabiam da localização desses planetas em relação ao Sol? E, sobretudo, como eles sabiam o tamanho de cada planeta?

Quem ainda acredita na História e na Arqueologia oficiais terá grande dificuldade para responder essas perguntas.


A pirâmide demolida após o dilúvio

O título deste artigo se refere a um mistério que eu imagino ser totalmente desconhecido hoje em dia, já que nunca vi ninguém falando sobre isso.

Se as pirâmides representam os planetas, na proporção e posição correta de suas órbitas, está faltando alguma coisa ...

Cadê a pirâmide de Marte?

Ela estava lá! Seguindo a ordem em que elas se encontram, a pirâmide de Marte deveria ficar bem nessa área verde onde hoje tem um campo de golfe.

A quarta pirâmide, ou Pirâmide de Marte.


É possível que as águas tenham chegado até quase o topo da pirâmide de Vênus, visto que abaixo deste nível ela está mais deteriorada.

Vou nomear a minha hipótese como a 'Teoria das Quatro Pirâmides', porque creio que as pirâmides de Gizé originalmente representavam os quatro planetas internos do Sistema Solar, ou seja, os mundos que estão dentro do cinturão de asteróides. Os planetas externos não foram incluídos por uma razão que eu não pretendo tratar neste momento.

Planetas e cinturão de asteróides.


Sendo assim, agora tenho uma teoria muito mais interessante, mas como posso prová-la, já que não encontrei nenhuma menção sobre a existência de outra pirâmide no planalto de Gizé? Pelo menos não há nada sobre isso no acervo de conhecimento acessível ao público.

Talvez haja uma referência preservada na forma de lenda, a de Deucalião e Pirra. Deucalião é para os gregos o equivalente a Noé. Quando os deuses inundaram a terra com o dilúvio, Deucalião e sua esposa Pirra foram os sobreviventes que se salvaram numa arca e depois ficaram incumbidos de restaurar a humanidade.

Na Wikipédia diz:

De todas as montanhas, apenas a do parnaso ultrapassava as águas. Nela a arca de Deucalião (o mais justo dos homens) e Pirra (a mais virtuosa das mulheres) encontrou refúgio. Zeus viu que apenas eles haviam sobrevivido e cessou a tempestade. Poseidon retirou as suas águas. Em segurança, Deucalião dirigiu-se a Pirra e disse-lhe:

- Ó esposa, única mulher sobrevivente, unida a mim primeiramente pelos laços do parentesco e do casamento, e agora por um perigo comum, pudéssemos nós possuir o poder de nosso antepassado Prometeu e renovar a raça, como ele fez, pela primeira vez! Como não podemos, porém, dirijamo-nos àquele templo e indaguemos dos deuses o que nos resta fazer.

Entraram em um templo ainda coberto de lama e aproximaram-se do altar. Prostaram-se em terra e rogaram à deusa Têmis que os esclarecesse sobre a maneira de agir naquela situação.

- Saiam do templo com a cabeça coberta e as vestes desatadas e atirai para trás os ossos de vossa mãe — respondeu o oráculo.

Pirra ficou confusa com o que o oráculo disse: não se sentia capaz de fazer o que ele estava pedindo. Deucalião pensou seriamente e chegou à conclusão de que se a Terra era a mãe comum de todos, as pedras seriam os seus ossos. Resolveram tentar. Os dois velaram o rosto, afrouxaram as vestes, apanharam as pedras e atiraram-nas para trás. As pedras amoleceram e começaram a tomar forma humana. As pedras atiradas pelas mãos do homem, tornaram-se homens; pelas mãos da mulher, tornaram-se mulheres.

Na minha teoria este é o mistério da demolição da quarta pirâmide. 'Os ossos da vossa mãe' são 'as pedras da pirâmide de Marte', porque é de lá que parte do material usado nas construções foi trazido, como venho mostrando em meus artigos. Marte é, de fato, a mãe da civilização egípcia na Terra.

Há vários quadros retratando a cena em que Deucalião e Pirra pegam as pedras e jogam para trás. Eu me baseei neste quadro do pintor italiano Giovanni Benedetto Castiglione para criar o meu.

Deucalião e Pirra. Quadro do pintor italiano Giovanni Benedetto Castiglione.


Claro que é apenas uma cena simbólica, não penso que foi um casal que removeu pedras que pesavam dezenas de toneladas, mas sim os próprios egípcios, atemorizados pelo cataclismo.

Nos Livros Apócrifos há detalhes pouco conhecidos deste acontecimento, como a informação de que na arca não se salvou apenas Noé, mas também muitos seres de outras raças que não eram da genealogia do Adão terrestre. Deduzo então que as pedras se transformando em gente deve simbolizar a nova humanidade e a miscigenação dos diferentes povos.

Teoria das Quatro Pirâmides. Deucalião e Pirra demolindo a pirâmide de Marte.


Qual era a verdadeira função das pirâmides? Seriam elas embaixadas para os humanos que vieram de outros mundos? Serviriam elas como passagem para eles, conforme mostrado no filme Stargate?

No filme Stargate, de 1994, as pirâmides abrigam um portal que permite o teletransporte para outros planetas.


É provável que a cultura egípcia tenha sido uma confederação universal, e não exclusividade de algum planeta. As pessoas da Terra e de outros mundos estavam unificadas naquela época e lugar sob o comando dos deuses estelares.

Povos extraterrestres no Egito Antigo. Templo em El Amarna, reproduzido por Karl Richard Lepsius.


29 de Setembro de 2016